Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2008

Boa pergunta!!!... Petróleo...

Diz o Big Friend CManteigas...

 

 

Expliquem-me sff uma coisa difícil de entender.

 

 

Se em 2002 um barril de petróleo custava 70 dólares, o que equivalia grosso modo a 77 Euros e hoje ele custa 100 dólares, o que equivale sensivelmente a 70 Euros, como é que se pode dizer que o petróleo subiu de preço?



Sem mais comentários...

Façam favor de ser felizes.

publicado por Jneo às 08:15
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sábado, 19 de Janeiro de 2008

Cuidado com o cartão de debito e credito...

É fantástico!...

É perigosamente fantástico a falta de segurança nos pagamentos quando usamos os cartões de credito e debito.

Ora vejam este link remetido pelo Friend Oscar L.

TENHAM MUITO CUIDADO...

Aqui fica o link:

http://videos.sapo.pt/L2UVoMbS1TcFa2NkoYPp

publicado por Jneo às 08:31
link do post | comentar | favorito

O anão que ia de comboio...

O Frienf Oscar L., deixou-me uma anedota rápida e bestia~l...

Cá vai:

Na carruagem, um anão começou a escorregar pelo banco e um outro passageiro,
solidário, o recolocou na posição.
Pouco depois, lá ia escorregando e o mesmo passageiro o recolocava no
assento.

Quando a situação se repetiu pela quinta vez, o homem,  irritado,
esbracejou: "Será que você não consegue ficar sentado direito?"

O anão respondeu:
"Meu amigo, há umas cinco estações estou tentando desembarcar e o senhor não
deixa"

Já de seguida as previsões para 2008...

publicado por Jneo às 07:46
link do post | comentar | favorito

E agora as previsões para 2008

Apesar de um pouco atrasado... cá venho informar as previsões para 2008.

Post remetido pelo colega de work PCR.

Manoel de Oliveira grava sequela de Aniki Bóbó utilizando apenas câmaras de vídeo vigilância da zona da Ribeira no Porto.

Nossa Sr.ª faz aparição em poste de muita alta tensão.

Sócrates nomeia Armando Vara para presidente do Benfica.

Francisco Louçã usa uma gravata durante uma sessão da AR.

Sempre inspirado por Sarkozy, mas à sua escala, Luis Filipe Menezes começa a namorar com Mafalda Veiga.

Carlos Cruz é nomeado director de programas da RTP.

BCP lança campanha de spread 0 para militantes do PS com as quotas em dia.

Joe Berardo inscreve-se em curso de terapia da fala e já consegue cantar as canções mais complicadas de Sérgio Godinho.

ASAE lança franchising de restaurantes de fast-food .

Vanessa Fernandes será a nova namorada de Cristiano Ronaldo.

Galp descobre petróleo debaixo do capachinho de Fernando Gomes.

Julgamento Casa Pia é anulado porque vitimas, que entretanto envelheceram e sofrem de alzheimer , não conseguem depor a mesma história que descreveram no início do processo.

Mourinho é vencedor da Liga do Jornal Record.

Pedro Santana Lopes assume paternidade de Ribau Esteves.

Selecção Nacional de Rugby ganha finalmente um jogo.

Marques Mendes só é visto no último trimestre de 2008 numa câmara de vigilância da Zara Kids.

Tratado de Lisboa fica sem efeito pois Sócrates rubricou "Sócrates O Magnifico" em todas as páginas.

Scolari consegue feito inédito ao ser campeão da Europa só com empates.

Isaltino Morais é o primeiro presidente de câmara a usar pulseira electrónica.

Ministro da saúde Correia de Campos encerra-se no seu próprio gabinete e engole a chave.

Governo escolhe a barragem do Alqueva para localização do novo Aeroporto de Lisboa. A grande obra de engenharia obriga à drenagem e terraplanagem da barragem, só o orçamento da obra demorará 2 anos a ser feito.

 
Um Bom Ano para todos.

publicado por Jneo às 07:34
link do post | comentar | favorito
Sábado, 12 de Janeiro de 2008

A celebre frase de Scolari está descodificada

Todos nós já ouvimos a celebre frase... "e o burro sou eu?"...

Pois, bem, foi descodificada...

 

Ora cá vai.

 

A célebre frase de Scolari está descodificada!!!

 

 

Esta é a verdadeira explicação para a irritação na conferência de imprensa que tornou mundialmente famosa uma frase de Luís Filipe Scolari: "O burro sou eu?".

Consta que tudo se terá passado da maneira seguinte:


Findo o jogo com a Finlândia, em pleno balneário do Estádio do Dragão, no meio da euforia, terá decorrido o seguinte diálogo:

Ricardo: Eh, malta. E se, para comemorarmos o apuramento para o Euro2008, este ano fizéssemos um presépio humano no Estádio Nacional?

Simão Sabrosa: Boa! Eu faço de Menino Jesus.

Nuno Gomes: E eu, de Nossa Senhora.

Miguel Veloso: Eu tenho barba, posso fazer de São José.

Quaresma: E eu, tenho que ser um dos Reis Magos.

Nani e Deco: Nós também!

Cristiano Ronaldo: Eu vou ser a estrela polar!

Gilberto Madaíl: Eu não me importo de fazer de vaca, afinal, é um animal sagrado nalguns países, como a Índia e nalgumas instituições, como a Federação Portuguesa de Futebol.

Scolari: Ué, e o burro? O burro sou eu?

 

publicado por Jneo às 08:53
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 10 de Janeiro de 2008

BCP....BCP...

Muito se tem falado do "BCP" e seus "negócios"...

E desta feita, um post do Friend Ant. Brito.

Só para ler...

 

Jornal EXPRESSO

 

Da Opus Dei à maçonaria: a incrível história do BCP

 

 Sábado, 29 de Dez de 2007

 

Aumentar Texto

Diminuir Texto

    

Enviar por email

Link para esta página

Imprimir

 

 

 

 

Em países onde o capitalismo, as leis da concorrência e a seriedade do negócio bancário são levados a sério, a inacreditável história do BCP já teria levado a prisões e a um escândalo público de todo o tamanho. Em Portugal, como tudo vai acabar sem responsáveis e sem responsabilidades, convém recordar os principais momentos deste "case study", para que ao menos a falta de vergonha não passe impune.

1 Até ao 25 de Abril, o negócio bancário em Portugal obedecia a regras simples: cada grande família, intimamente ligada ao regime, tinha o seu banco. Os bancos tinham um só dono ou uma só família como dono e sustentavam os demais negócios do respectivo grupo. Com o 25 de Abril e a nacionalização sumária de toda a banca, entrámos num período 'revolucionário' em que "a banca ao serviço do povo" se traduzia, aos olhos do povo, por uns camaradas mal vestidos e mal encarados que nos atendiam aos balcões como se nos estivessem a fazer um grande favor. Jardim Gonçalves veio revolucionar isso, com a criação do BCP e, mais tarde, da Nova Rede, onde as pessoas passaram a ser tratadas como clientes e recebidas por profissionais do ofício. Mas, mais: ele conseguiu criar um banco através de um MBO informal que, na prática, assentava na ideia de valorizar a competência sobre o capital. O BCP reuniu uma série de accionistas fundadores, mas quem de facto mandava eram os administradores - que não tinham capital, mas tinham "know-how". Todos os fundadores aceitaram o contrato proposto pelo "engenheiro" - à excepção de Américo Amorim, que tratou de sair, com grandes lucros, assim que achou que os gestores não respeitavam o estatuto a que se achava com direito (e dinheiro).

2 Com essa imagem, aliás merecida, de profissionalismo e competência, o BCP foi crescendo, crescendo, até se tornar o maior banco privado português, apenas atrás do único banco público, a Caixa Geral de Depósitos. E, de cada vez que crescia, era necessário um aumento de capital. E, em cada aumento de capital, era necessário evitar que algum accionista individual ganhasse tanta dimensão que pudesse passar a interferir na gestão do banco. Para tal, o BCP começou a fazer coisas pouco recomendáveis: aos pequenos depositantes, que lhe tinham confiado as suas poupanças para gestão, o BCP tratava de lhes comprar, sem os consultar, acções do próprio banco nos aumentos de capital, deixando-os depois desamparados perante as perdas em bolsa; aos grandes depositantes e amigos dos gestores, abria-lhes créditos de milhões em "off-shores" para comprarem acções do banco, cobrindo-lhes, em caso de necessidade, os prejuízos do investimento. Desta forma exemplar, o banco financiou o seu crescimento com o pêlo do próprio cão - aliás, com o dinheiro dos depositantes - e subtraiu ao Estado uma fortuna em lucros não declarados para impostos. Ano após ano, também o próprio BCP declarava lucros astronómicos, pelos quais pagava menos de impostos do que os porteiros do banco pagavam de IRS em percentagem. E, enquanto isso, aqueles que lhe tinham confiado as suas pequenas ou médias poupanças viam-nas sistematicamente estagnadas ou até diminuídas e, de seis em seis meses, recebiam uma carta-circular do engenheiro a explicar que os mercados estavam muito mal.

3 Depois, e seguindo a velha profecia marxista, o BCP quis crescer ainda mais e engolir o BPI. Não conseguiu, mas, no processo, o engenheiro trucidou o sucessor que ele próprio havia escolhido, mostrando que a tímida "renovação" anunciada não passava de uma farsa. E descobriu-se ainda uma outra coisa extraordinária e que se diria impossível: que o BCP e o BPI tinham participações cruzadas, ao ponto de hoje o BPI deter 8% do capital do BCP e, como maior accionista individual, ter-se tornado determinante no processo de escolha da nova administração... do concorrente! Como se fosse a coisa mais natural do mundo, o presidente do BPI dá uma conferência de imprensa a explicar quem deve integrar a nova administração do banco que o quis opar e com o qual é suposto concorrer no mercado, todos os dias...

4 Instalada entretanto a guerra interna, entra em cena o notável comendador Berardo - o homem que mais riqueza acumula e menos produz no país - protegido de Sócrates, que lhe deu um museu do Estado para ele armazenar a sua colecção de arte privada. Mas, verdade se diga, as brasas espalhadas por Berardo tiveram o mérito de revelar segredos ocultos e inconfessáveis daquela casa. E assim ficámos a saber que o filho do engenheiro fora financiado em milhões para um negócio de vão de escada, e perdoado em milhões quando o negócio inevitavelmente foi por água abaixo. E que havia também amigos do engenheiro e da administração, gente que se prestara ao esquema das "off-shores", que igualmente viam os seus créditos malparados serem perdoados e esquecidos por acto de favor pessoal.

5 E foi quando, lá do fundo do sono dos justos onde dormia tranquilo, acorda inesperadamente o governador do Banco de Portugal e resolve dizer que já bastava: aquela gente não podia continuar a dirigir o banco, sob pena de acontecer alguma coisa de mais grave - como, por exemplo, a própria falência, a prazo.

6 Reúnem-se, então, as seguintes personalidades de eleição: o comendador Berardo, o presidente de uma empresa pública com participação no BCP e ele próprio ex-ministro de um governo PSD e da confiança pessoal de Sócrates, mais, ao que consta, alguém em representação do doutor "honoris causa" Stanley Ho - a quem tantos socialistas tanto devem e vice-versa. E, entre todos, congeminam um "take over" sobre a administração do BCP, com o "agréement" do dr. Fernando Ulrich, do BPI. E olhando para o panorama perturbante a que se tinha chegado, a juntar ao súbito despertar do dr. Vítor Constâncio, acharam todos avisado entregar o BCP ao PS. Para que não restassem dúvidas das suas boas intenções, até concordaram em que a vice-presidência fosse entregue ao sr. Armando Vara (que também usa 'dr.') - esse expoente político e bancário que o país inteiro conhece e respeita.

7 E eis como um banco, que era tão independente que fazia tremer os governos, desagua nos braços cândidos de um partido político - e logo o do Governo. E eis como um banco, que era tão cristão, tão "opus dei", tão boas famílias, acaba na esfera dessa curiosa seita do avental, a que chamam maçonaria.

8 E, revelada a trama em todo o seu esplendor, que faz o líder da oposição? Pede em troca, para o seu partido, a Caixa Geral de Depósitos, o banco público. Pede e vai receber, porque há 'matérias de regime' que mesmo um governo com maioria absoluta no parlamento não se atreve a pôr em causa. Um governo inteligente, em Portugal, sabe que nunca pode abocanhar o bolo todo. Sob pena de os escândalos começarem a rolar na praça pública, não pode haver durante muito tempo um pequeno exército de desempregados da Grande Família do Bloco Central.

Se alguém me tivesse contado esta história, eu não teria acreditado. Mas vemos, ouvimos e lemos. E foi tal e qual

publicado por Jneo às 21:22
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 8 de Janeiro de 2008

A bofetada do ano!

Nem vale a pena comentar... somos o que somos e ponto final.

Mas, é urgente mudar.

Comecemos por ler o post seguinte, remetido pelo Big Big Friend PFalcão

A bofetada do ano!

 

O PORTUGUÊS sempre teve o hábito de reclamar dos seus governantes.

 

Criticam os autarcas, os ministros e o presidente da República.

 

Reclamavam nos governos anteriores e reclamam deste.

 

Já deixaram de reclamar do Guterres e de Durão Barroso… que fugiram!

Quando tivermos novas eleições, provavelmente teremos outros governantes... Ou serão os mesmos?

Mas o povo vai continuar a reclamar.

Sabe porquê?

Porque o problema não está em quem nos governa...

O problema está naquele que reclama: tu e eu; nós!

O problema está nO PORTUGUÊS.

Afinal, o que se pode esperar de um povo que sempre “dá um jeitinho”? Um povo que valoriza o esperto e não o sábio ou o justo?

Um povo que aplaude o vencedor do Big Brother, mas não sabe o nome dum escritor português?

Que respeito merece um povo que reelege uma Fátima Felgueiras, um Isaltino Morais, um Valentim Loureiro e outros?

Um povo que admira o pobre que fica rico da noite para o dia?
Que ri quando consegue sacar a TVCABO do vizinho? Sonega tudo o que pode e, quando pode, sonega até o que não pode?

O que esperar de um povo que não sabe o que é pontualidade? Que atira o lixo para a rua e depois reclama pela sujeira?

O que esperar de um povo que não valoriza a leitura?

O que esperar de um povo que finge dormir quando um idoso ou um deficiente entra no autocarro?

O que dizer de um povo endividado, que continua a gastar mais do que pode?

O problema de Portugal não são os políticos. São os portugueses!

Os políticos não se elegeram; fomos nós que votamos neles.

Os político não fazem exames, ganham votos: o seu e o meu!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por Jneo às 22:22
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Segunda-feira, 7 de Janeiro de 2008

Cuidado com o V. cartão VISA

Post remetido pelo Big Freind Oscar L., importante ler... não é nenhuma brincadeira.

 

GOLPE COM CARTÃO DE CRÉDITO

 

 

Dizem que isto está a acontecer já em Portugal.

Tenha cuidado e não responda a perguntas "aparentemente" certas.

 

Estará mais bem preparado para se proteger se estiver a par deste novo tipo de fraude com cartões de crédito feito via telefone.

Os scammers estão a cada dia mais criativos!

 

É assim:

 

Você recebe uma chamada e a pessoa diz:

 

-   "Estou a falar-lhe do Departamento de Segurança da VISA (ou outra, por exemplo). O meu nome é Fulano e meu número de identificação funcional é 12460. O Senhor comprou (qualquer coisa estranha como um dispositivo anti-telemarketing) no valor de 497,99 Euros a uma empresa sediada no Arizona, USA?"

 

É claro que você responde que não, ao que se segue:

 

-   "Provavelmente o seu cartão foi clonado e estamos a ligar-lhe para verificar. Isto confirmado, será emitido um crédito ao seu favor".

 

Este tipo de transacção está a acontecer com despesas que variam de 297 Euros até 499 Euros, justamente por ser abaixo do valor de 500 Euros, que acciona a maioria dos alertas.

 

A conversa segue:

 

-   "Antes de processar o crédito, gostaríamos de conferir alguns dados. O seu endereço é tal?" (Isto pode ser retirado facilmente das listas telefónicas via Internet).

 

Ao responder que sim, o scammers continua:

 

-   "Qualquer questão que o senhor tenha, deverá ligar o número 0-800 que se encontra na parte de trás de seu cartão e pedir para falar ao Departamento de Segurança. Por favor, tome nota do seguinte número de protocolo" (o bandido dá-lhe então um número de 6 dígitos) e pede: "O senhor poderia lê-lo para confirmar?"

 

 

Aqui vem a parte mais importante da fraude. Ele diz, então:

 

-   "Desculpe, mas temos que verificar que o senhor está de posse de seu cartão. Por favor, pegue no seu cartão e leia o seu número".

 

Feito isto, ele continua:

 

-   "Correcto. Agora vire o seu cartão e leia por favor os 3 últimos algarismos (ou 4, dependendo do cartão)".

 

Estes são os Números de Segurança (Pin Number) que você usa para fazer compras via Internet, para provar que é efectivamente titular do o cartão!

 

Depois que você diz os referidos números:

 

-   "Correcto! Entenda que era necessário verificar que o cartão não estava perdido, nem tinha sido roubado, e que o senhor estava com ele em seu poder. O senhor tem mais alguma outra pergunta?"

 

Depois que você diz que não, o scammer agradece e desliga. Provavelmente, em menos de 10 minutos uma compra será debitada no seu cartão, e muitas outras depois, caso você não perceba a fraude até à chegada do extracto.

 

Como proteger-se desta acção criminal?

 

É quase inútil fazer denúncias à Polícia. Até nos Estados Unidos é difícil encontrar essas ligações.

 

Você pode dizer para o bandido desligar que você fará a ligação para o 0800. Mas, mesmo que você desligue este tipo de ligação, é claro que a melhor maneira de se precaver é estar alerta e comunicar a todos a existência deste golpe.

 

Assim, reenvie isto a todos seus amigos. Mantendo-nos informados, poderemos proteger-nos mutuamente!

 

 

 

publicado por Jneo às 22:37
link do post | comentar | favorito

.About me

.pesquisar

 

.Agosto 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Posts recentes

. Este Blog está encerrado....

. Jogo de futebol Porto - B...

. Excesso de velocidade ? Q...

. Link BESTIAL!!!!...

. IKEA: Enlouqueça você mes...

. Aviso da faculdade de Ciê...

. António Barreto no Públic...

. QUEM ELEGE OS POLITICOS?

. Geração dos 30/40...

. Um piada bastante gira e ...

.Arquivos

. Agosto 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

.Links

blogs SAPO

.subscrever feeds