Terça-feira, 17 de Abril de 2007

Esta é a campanha que não acabou os estudos

Posted by: António Brito

Este artigo, remetido pelo Friend A. Brito até pode ser um pouco extenso, mas, acreditem que vale muito a pena. Acreditem que vale mesmo muito a pena.
Por acaso já pensaram na campanha publicitaria que anda a correr por ai a incentivar os portugueses a estudar e a valorizar os conhecimentos? É de louvar esta aposta do nosso governo. Mas, será que a dita campanha está a ser bem conduzida?... Em minha opinião não...
Sejam felizes e leiam o artigo até ai fim.
Your Friend jNeo


Esta é a campanha que não acabou os estudos
17.04.2007
, José Vítor Malheiros

É desprezível que se apresentem determinadas actividades profissionais como indignas e como exemplos negativos

 

A história é conhecida: um jovem sacristão trabalhava na sua aldeia para um pároco idoso que um dia morreu e foi substituído por um padre jovem e reformista. Este, mal chegou à paróquia, entregou ao sacristão uma lista de alterações a introduzir no serviço da igreja que lhe pediu que pusesse em prática. O homem, embaraçado, devolveu a lista ao padre explicando-lhe que não sabia ler e que, por isso, o padre teria de lhe explicar de viva voz o que quisesse que ele fizesse. O padre ficou estarrecido pela ignorância do homem e despediu-o, pois não podia ter ao seu serviço um analfabeto.
O sacristão, cabisbaixo, foi até à cidade para decidir o que fazer da sua vida. A dada altura quis comprar cigarros, mas reparou que na rua onde estava não havia nenhuma tabacaria. E o mesmo acontecia em todas as outras ruas do bairro. Decidiu agarrar nas economias e, em vez de tentar procurar novo emprego, abrir uma tabacaria de vão de escada. A tabacaria prosperou e transformou-se num amplo estabelecimento e a ela seguiram-se outras empresas que granjearam ao seu proprietário uma confortável fortuna. Um dia, recebeu a visita do seu advogado que lhe vinha pedir que lesse uns documentos. Ele teve de lhos devolver, explicando que não sabia ler. O advogado não pôde conter o espanto: "Mas se o senhor, sem saber ler, conseguiu chegar onde chegou, onde não estaria se soubesse ler?..." "Se eu soubesse ler", respondeu o abastado comerciante "era sacristão na minha aldeia."
A história tem várias morais e uma delas pode ser que nem a formação escolar é uma garantia de sucesso nem o empreendedorismo se aprende na escola.
Vem isto a propósito da campanha Novas Oportunidades, lançada pelo Governo, que "visa sensibilizar a população adulta para a importância da qualificação" e que se tornou notória pela utilização de várias estrelas (Pedro Abrunhosa, Judite de Sousa, Carlos Queiroz, Maria Gambina). A campanha mostra o "Pedro", a "Judite", o "Carlos" e a "Maria" a fazer aquilo que supostamente seria a sua profissão se "não tivessem acabado os estudos": a trabalhar como arrumador de uma sala de concertos, numa papelaria, a cortar a relva e a passar a ferro.
É certamente bom que o Estado português faça uma campanha para promover a aprendizagem e o regresso à escola. Mas é absolutamente desprezível que se apresentem determinadas actividades profissionais como indignas e como exemplos negativos, numa menorização das pessoas (dos cidadãos) que desempenham estas tarefas (cuja relevância social não é nula, diga-se) que é não só eticamente inadmissível como economicamente disparatada.
O problema em Portugal é precisamente que há imensas pessoas que não possuem competências nas suas áreas de actividade: temos comerciantes que não sabem fazer contas, lavadeiras que não sabem tirar nódoas, empregados de teatro que não sabem falar a um cliente e jardineiros que não sabem tratar de um relvado. O problema não é que haja pessoas a fazer isto (ou outra coisa) em vez de terem canudos. O problema é que há pessoas a fazer isto (ou outra coisa) mal feito.
Que os maus exemplos que a campanha do Governo tem para mostrar sejam estes (e não pessoas que desempenham mal a sua função por falta de competências, e não pessoas que se encontram desempregadas por não saberem fazer nada, e não delinquentes que não encontram outra forma de ocupação que não seja o crime, ou outra coisa qualquer) mostra algumas das piores facetas da cultura nacional: o desprezo pelo trabalho manual (que em Portugal é sempre visto como "não qualificado" ainda que o não seja), o desprezo pela manipulação material e a ideia de que a qualificação apenas existe nas profissões de "manipuladores de símbolos", a ideia de que a casta profissional a que se pertence é mais importante do que a competência que se possui no seu trabalho. São preconceitos que explicam em grande parte o atraso português.
A campanha é, finalmente, tanto mais tonta quanto a formação escolar pouco ou nada garante em termos de emprego - tal como acontece com o sacristão da história. Jornalista.

sinto-me:
publicado por Jneo às 19:25
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Paulo Falcão a 19 de Abril de 2007 às 12:18
Nada exprime melhor o sentimento de muita gente do que a história contada no inicio do post.
Mas num país de gente tacanha como o nosso, em que se dá mais importância aos “canudos” do que à competência, não é de admirar que se façam campanhas como a aqui referida.
Infelizmente é a realidade deste nosso Portugal e das “nossas” empresas. Todos sabemos que muitos dos “canudos” (só falo dos legais) que por aqui proliferam foram obtidos à custa de:
1º Um grande desfalque na conta bancária do papá que pagou tudo;
2º Pelo menos uma dúzia, mais meia, menos meia, de anos de borgas;
3º Incontáveis quantidades de litros de cerveja e outros líquidos;
4º Paletes de resmas de papel para cábulas.
Por fim, o detentor do dito cujo (canudo legalmente obtido em estabelecimento de ensino superior devidamente credenciado) não faz a mínima ideia do que aprendeu durante o curso, mas mesmo assim, arrisca-se a chegar a director geral duma qualquer empresa.
Nada tenho contra os licenciados e todos aqueles que passam grande parte da juventude a estudar.
Mas chateia-me que se desprezem todos os outros, que não tendo curso superior, têm a escola da vida. O profissionalismo, o dinamismo e a competência não se aprendem na universidade.
De Jneo a 23 de Abril de 2007 às 09:47
Muito bem Caríssimo Friend.
A "gerencia" agradece o comentários fantástico.

Ninca esquecer que este Blog Alimenta-se dos artigo e comentários enviados pelos Friends

Saúde

jNEo

Comentar post

.About me

.pesquisar

 

.Agosto 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Posts recentes

. Este Blog está encerrado....

. Jogo de futebol Porto - B...

. Excesso de velocidade ? Q...

. Link BESTIAL!!!!...

. IKEA: Enlouqueça você mes...

. Aviso da faculdade de Ciê...

. António Barreto no Públic...

. QUEM ELEGE OS POLITICOS?

. Geração dos 30/40...

. Um piada bastante gira e ...

.Arquivos

. Agosto 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

.Links

blogs SAPO

.subscrever feeds