Segunda-feira, 9 de Abril de 2007

Cartas ao Sr. primeiro-ministro

Caro Sr. primeiro-ministro,

 

Apesar de não ter votado em si, sinto que somos quase almas gémeas.

Não admira: temos muito em comum. Tal como o senhor, eu também não sou engenheiro. Enfim, apenas umas das muitas características que partilhamos. E é por isso, por sentir que somos feitos da mesma massa, que me desgosta vê-lo metido em confusões. Esta história da Universidade Independente, em que ninguém percebe se, afinal, o Sr. primeiro-ministro se licenciou ou não, é muito desagradável. Imagino que tenha prometido aos seus pais que acabaria o curso, e agora descobre-se que não o fez.

Para si não será propriamente novidade fazer promessas que acaba por não cumprir, mas uma coisa é o povo português, outra é a família. Não cumprir promessas feitas ao povo português durante a campanha eleitoral, normalmente, não tem consequências de maior, mas faltar ao prometido à mãe pode ter repercussões graves na vida de um político. Sobretudo se esse político gostar que a mão lhe leve um copinho de leite morno à cama. «Enquanto não acabares o curso, acabaram-se os miminho», pode a mãe dizer.

Um argumento que se rebate com dificuldade, até porque discutir com a mãe é bem diferente de litigar com o Marques Mendes.

As mães são muito mais tesas.

Além do mais, é importante não esquecer que a mãe do Sr. primeiro-ministro pode estar duplamente ressentida: como se não lhe bastasse a vergonha de ter um filho primeiro-ministro, agora já nem pode dizer às amigas que, ao menos, o José é engenheiro.

No entanto, como em tudo, há um aspecto positivo no facto de o Sr. primeiro-ministro não ter concluído a licenciatura. Há muito tempo que a nossa democracia não dava um sinal de vitalidade tão grande. O sr. é a prova de que qualquer um pode chegar ao segundo lugar mais importante do Estado: o nosso sistema político não discrimina ninguém por ter menos habilitações literárias.

Por outro lado, receio que este caso da Universidade Independente fique associado a si para sempre. Até pelas semelhanças de estilo que existem entre aquele estabelecimento de ensino e o seu Governo: há tantas trapalhadas na Independente que às vezes ficamos com a sensação de que a universidade é dirigida pelo seu ministro Manuel Pinho.

Mas a razão que me leva a escrever-lhe é a seguinte: apoio a sua intenção de submeter os funcionários públicos a exames de avaliação, e ir dispensando os menos capazes. Mas, para ganhar tempo e dinheiro, talvez um bom método fosse começar por dispensar os que têm menos habilitações. Imaginemos um funcionário público que não terminou a licenciatura em engenharia, por exemplo, esse era logo dos primeiros a ir para a rua.

É só uma dica.

 

Posted By: Friend António Brito (texto da autoria de Ricardo Araújo Pereira retirado da visão do dia 5 de Abril de 2007

 

sinto-me:
publicado por Jneo às 15:23
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De a 11 de Abril de 2007 às 12:52
HUUUUgassssseeee....

Comentar post

.About me

.pesquisar

 

.Agosto 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Posts recentes

. Este Blog está encerrado....

. Jogo de futebol Porto - B...

. Excesso de velocidade ? Q...

. Link BESTIAL!!!!...

. IKEA: Enlouqueça você mes...

. Aviso da faculdade de Ciê...

. António Barreto no Públic...

. QUEM ELEGE OS POLITICOS?

. Geração dos 30/40...

. Um piada bastante gira e ...

.Arquivos

. Agosto 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

.Links

blogs SAPO

.subscrever feeds